Etna: vulcão localizado no país italiano é um dos pontos turísticos da região da Sicília

29 de junho de 2021

A Itália é, definitivamente, um dos meus destinos preferidos. Já contei para vocês aqui sobre alguns lugares que conheci, mas hoje venho falar de uma viagem diferente, em um dos pontos turísticos da região de Sicília, localizada na capital Palermo: o vulcão Etna, considerado ativo e que teve a sua última erupção neste ano de 2021, em 21 de fevereiro.

Imagem do vulcão etna visto de longe.

Imagem do vulcão Etna visto de longe.

 

O nome do vulcão Etna pode ser traduzido como “eu queimo” e é originário da mitologia grega, ‘Aitna’, que é o nome da filha do deus do céu, Urano, e da deusa da terra, Gaia. Aitna era a deusa do vulcão.

O maior vulcão da Europa ocupa uma área de 1.190 km² e tem o dobro do tamanho de outro famoso vulcão italiano, o Vesúvio. Quando visitei, os guias turísticos contaram para os turistas que o Etna é maior que Londres e que a cidade de Nova Iorque, ou seja, enorme! Uma outra curiosidade importante é que ele não é um só, mas sim um aglomerado de vulcões.

 

Visão mais aproximada de uma das crateras do Etna. É considerado um dos pontos turísticos da Sicília.

Visão mais aproximada de uma das crateras do Etna. É considerado um dos pontos turísticos da Sicília.

 

Apesar de ter se formado a 500.000 anos atrás, os cientistas o consideram como um vulcão jovem. Ele surgiu no fundo do mar, em um golfo que existia na planície de Catânia, uma cidade portuária localizada na Sicília. Ao longo dos anos, sobretudo nos últimos 60 mil, as camadas de cinzas e lavas foram de sobrepondo, dando origem a montanha que hoje existe por lá.

Rochas que se formaram depois das erupções, através da lava resfriada e solidificada.

magem mais aproximada de uma das crateras do vulcão etna

Imagem mais aproximada de uma das crateras do vulcão Etna.

 

Nesta imagem, é possível visualizar um pouco mais toda a sua extensão

Nesta imagem, é possível visualizar um pouco mais toda a sua extensão do vulcão.

 

Por estar acima do nível do mar, as mudanças de temperatura são repentinas, então, é importante estar agasalhado e, ao mesmo tempo, com roupas confortáveis para andar pelas montanhas formadas. Além disso, também é importante verificar a sua atividade, já que ainda está ativo. Embora as últimas erupções não terem causado grandes problemas para a região de Sicília, a primeira, em 1669, chegou a matar mais de 20 mil pessoas.

 

Foi um lugar que eu amei conhecer, o seu visual é muito bonito. Não é à toa que se tornou um dos patrimônios mundiais da humanidade em 2013, pela Unesco.

Espero que eu tenha conseguido trazer um pouco desse ponto turístico para vocês, leitores. Recomendo muito a visita! Até a próxima.

 

karina korn

@karinakornarquitetura

Leia também:

Cinque Terre: Tesouro Italiano cheio de histórias 

As cores marcantes da Costa Amalfitana

13 fatos curiosos sobre um dos vulcões mais ativos do mundo

 

Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

instagram logo
@milideiaspormetroquadrado/
logo instagram
CLIQUE AQUI