3 dicas para melhorar a iluminação de escritório

10 de agosto de 2017

Uma pesquisa realizada pela Universidade do Arizona revela que as pessoas trabalham mais satisfeitas em ambientes melhor iluminados. Isso possivelmente ocorre porque uma iluminação de escritório adequada diminui a fadiga e o cansaço ocular, resultando em maior produtividade, melhor qualidade de vida, conforto e satisfação.

Com isso em mente, preparei três dicas sobre o assunto, que servem tanto de ponto de partida como de atenção. Confira!

Projete seu layout: esse deve ser pontapé inicial de qualquer projeto luminotécnico. Nessa etapa, é fundamental projetar o layout de forma que todas as luzes do escritório sejam acesas de forma uniforme, evitando que algumas áreas fiquem claras ou escuras demais.

Outro ponto de atenção nessa fase é garantir que as áreas de trabalho não tenham sombras, pontos de intensidade e focos de luz que afetem a visão. Vale lembrar que a iluminação direta ocasiona mais brilho na tela do computador, e por este motivo devemos evitá-la.

É importante salientar que o layout deve ser adequado ao uso do espaço. Em outras palavras, a distribuição, dimensionamento e espaço entre luminárias e lâmpadas deve ser feito conforme a necessidade.

E não se esqueça: para além de mesas e cadeiras, outros itens como janelas, cortinas, filtros adesivos nos vidros, brises e até a cor da parede influenciam na sua iluminação corporativa.

Use e abuse da iluminação natural: Uma boa opção para você dar um up na iluminação do seu escritório é maximizar a luz natural. Não que seja impossível conseguir bons resultados com lâmpadas artificiais, mas a iluminação do sol traz mais vida ao ambiente. E, claro, a grande vantagem é que não custa nada!

Assim, use e abuse de grandes vãos livres e janelas dimensionadas para aproveitar bem essa iluminação. Em sinergia com essa proposta, mantenha as persianas abertas ou reguladas.

Procure também eliminar barreiras que possam impedir a difusão da luz nos espaços. Ou seja, otimize o local com janelas em paredes de gesso, divisórias mescladas com painéis de vidro, divisórias até 1,60m ou bancadas de trabalho compartilhadas. E aproveite lâmpadas de espectro total, que reproduzem mais as cores reais e naturais, replicando assim a luz do dia.

Intensidade da Luz: Regular a iluminação artificial do seu ambiente de acordo com a luz natural é bem simples: utilize dimerizadores e sensores de presença!

Além do conforto, essa mudança refletirá certamente na sua conta de energia, pois o uso irá depender do quanto de luz você precisará naquele momento.

Aposte também em lâmpadas com cores mais frias, que puxam para o branco e são mais adequadas ao estímulo do trabalho. Por outro lado, cores mais quentes (amareladas) tendem ao relaxamento.

Dependendo do ritmo exigido, é possível climatizar o escritório com a intensidade e mix desejado. Na sala de reunião, por exemplo, quanto menos difusa e focada a iluminação, melhor.

Uma tendência consagrada pelas grandes corporações é o uso de lâmpadas fluorescentes tubulares espalhadas pelo forro do teto. Apesar de não ser a melhor opção estética, e muitas vezes nem a mais barata, esse modelo chama atenção pela fácil manutenção. Porém, em muitos casos não há um sistema independente para serem acendidas e é comum vermos um andar inteiro iluminado para apenas poucos funcionários.

Quer mais dicas sobre arquitetura corporativa? Siga o Studio Cris Paola no LinkedIn!

Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

instagram logo
@milideiaspormetroquadrado/
logo instagram
CLIQUE AQUI